Análise de dados para e-commerce: Entenda sua importância

Você conhece a importância da análise de dados para e-commerce? Então, antes de tudo, vamos a algumas informações bastante relevantes para todo empreendedor digital:

  • hoje existem mais de 400 mil lojas virtuais brasileiras;
  • 76% delas vendem itens com valor médio de R$100,00;
  • em 2016, elas faturaram quase 45 bilhões, com estimativa de crescimento de 15% para 2017;
  • outra previsão formidável para esse ano é o aumento em 40% do número de compras efetuadas por dispositivos eletrônicos.

Diante desses dados, aqui vai uma provocação: como você efetuaria uma análise de dados para e-commerce do cenário mencionado?

análise de dados para e-commerce

Nesse caso, de forma breve, o universo virtual é um ramo bem-sucedido a ponto de cada marca buscar a fatia que lhe cabe desse mercado promissor! E apesar da visível concorrência, há espaço para todos, independentemente do segmento, gênero ou público-alvo.

Contudo, com a mesma rapidez que várias empresas deslancham, elas também podem fechar as portas! Basicamente, isso ocorre quando os gestores negligenciam circunstâncias cruciais que deveriam ser aproveitadas em prol da saúde do negócio.

Assim, para garantir a sobrevivência do seu comércio, existem algumas particularidades decisivas a serem decifradas. É o caso da análise de dados para e-commerce que precisa ser aferida minuciosamente para resultar em estratégias eficazes que potencializam seus lucros e ainda ajudam a tomar decisões e ponderar em quais tendências investir, por exemplo.

Pensando nisso, reunimos neste artigo os principais benefícios da interpretação criteriosa de algumas informações (inclusive de dados mais avançados), explicando detalhadamente como analisá-las com cautela e competência para colher resultados promissores. Confira!

1. O que significa análise de dados para e-commerce?

Você abriu sua loja online para vender produtos ou serviços que asseguram sua independência financeira e qualidade de vida, não é mesmo? Mas talvez você não saiba que os dados lançados pelas operações representam informações cruciais para uma gestão adequada.

Entretanto, é imprescindível realizar uma leitura assertiva desses números para transformá-los em orientações potenciais, identificar problemas e agregar novas oportunidades para seu comércio.

Tudo isso porque a inteligência artificial utiliza algoritmos complexos para desvendar padrões repetitivos. Mas muita calma nessa hora: você não precisa ser um expert em finanças ou tecnologia da informação.

Afinal, qualquer gestor pode acessar elementos importantes para executar uma análise promissora que contribui com diversas melhorias em sua loja online.

Ferramentas práticas como o Google Analytics — que inclui quantidade de visitas na página e tempo de permanência —, por exemplo, e outras estatísticas relevantes fornecidas automaticamente pelas plataformas, costumam facilitar bastante o diagnóstico.

Indicações valiosas

Que atire a primeira pedra o empreendedor que nunca se preocupou em intensificar suas vendas em períodos de marasmo de acessos, como feriados e datas comemorativas que geralmente comprometem a renda mensal.

Uma alternativa eficaz é fornecer promoções ou isenções de frete, por exemplo, em períodos que tendem à escassez. Porém, antes de definir a melhor estratégia, é importante estudar e entender o que os números dizem para assegurar que seu negócio se desenvolva “de vento em popa”!

Para te mostrar que você possui a faca e o queijo nas mãos, fique ligado na relevância desses indicadores:

2. Por que essa análise é importante para minha loja?

Muitos donos de lojas virtuais podem estar sentados em cima de verdadeiras minas de ouro sem nem mesmo ter se dado conta. Claro que você sabe que a internet é uma ferramenta prática para gerenciar todas as etapas da venda, desde a aquisição até a entrega dos produtos.

Mas, além disso, esse tipo de negócio fornece números imprescindíveis para transformar a lucratividade, as estratégias e todo o planejamento profissional. Felizmente, grande parte desses empresários estão conhecendo a importância da análise de dados para e-commerce.

Inclusive, pesquisas recentes divulgadas pela GE (General Electric) e pela IBM (International Business Machines) assinalaram que 92% dos executivos estão satisfeitos com os resultados, sendo que 89% deles consideram os elementos de descoberta ‘muito’ ou ‘extremamente’ importantes.

Exatidão de dados para e-commerce

Por meio dos dados analíticos, é possível descobrir a preferência dos clientes, investigar padrões ocultos, tendências de mercado, associações de produtos, relevância de descontos, análise da satisfação do usuário e diversas outras informações essenciais para otimizar a sua eficiência operacional.

Entre os dados mais requisitados estão a percepção do comprador, a análise da marca, a avaliação de risco e o acompanhamento e rastreamento do atendimento. Assim como a contabilidade financeira, por exemplo, os resultados emitidos pela análise de dados para e-commerce não são intuitivos, mas sim exatos!

Portanto, te conduzem a visitar os “bastidores” do seu comércio e indicam táticas imperativas para a saúde da sua loja virtual.

Foco e assertividade

Sobretudo, não se trata de magia, mas sim de utilizar a análise de informações a seu favor. Para se ter uma ideia, hoje, já é possível alterar preços em tempo real mesclando os preços da concorrência com a procura dos internautas, uma iniciativa interessante conhecida como “preços dinâmicos”.

Seu painel de produtos também pode ser otimizado levando em conta o gosto dos consumidores, suas compras mais recorrentes, e as avaliações que fazem das páginas concorrentes ou que vendem mercadorias similares.

Fora que o Google Analytics te ajuda ainda a “prever” o que o seu cliente precisa, auxiliando a recomendar produtos para ele. Como num passe de mágica!

Exemplo disso é o Netflix, um portal de conteúdos de vídeos (filmes e séries) que produziu uma série que ficou famosa entre seus usuários, baseando-se nos dados para e-commerce e comportamento dos clientes do site.

Ou seja, eles utilizaram as pesquisas internas e o histórico de seus assinantes para criar um programa direcionado à preferência do público-alvo. Sucesso na certa!

3. Quais são os principais dados para e-commerce que devo monitorar?

Por enquanto, você já entendeu que o sucesso do seu e-commerce não depende apenas da qualidade ou preço do seu produto, assim como do atendimento ágil, rapidez na entrega ou da experiência de compra positiva do consumidor.

De fato, para destacar sua loja virtual, é preciso ainda dominar as estatísticas que revelam como anda a sua performance. Confira abaixo parte do alfabeto que faltava para seu negócio deslanchar:

A. Número de visitantes

Sem dúvidas, quanto mais gente acessar seu site, maiores serão suas chances de venda! Por isso, é importante mensurar quantos visitantes a página recebe, e quais produtos essas pessoas buscam ou clicam.

Dentro de períodos específicos, você consegue acompanhar a evolução de uma divulgação de ofertas, por exemplo, para conferir se a campanha alcançou o sucesso almejado.

O resultado colhido é imediato, pois a partir das estatísticas levantadas, você descobre como aumentar as conversões ou se tem algo errado na sua loja. Sendo assim, qualquer problema pode ser sanado de maneira mais rápida e eficiente.

B. Taxa de conversão

O número de visitantes também deriva outro cálculo importante, bastando dividi-lo pela quantidade de transações realizadas na loja. Obviamente, cada empresa possui suas particularidades e vai apresentar índices diferenciados de acordo com o segmento.

Entretanto, com o número exato da taxa de conversões, é possível delinear metas de vendas mensais focando no aumento ou estabilidade dessa taxa — que diz muito a respeito da evolução do seu negócio, portanto, fique de olho!

C. Convergência do funil

Você já deve ter ouvido falar em funil de vendas no marketing digital. Ele engloba, basicamente, 4 etapas:

  • Visitantes: no top do funil inclui todos os visitantes que acessam sua loja por intermédio das campanhas;
  • Leads: já os leads são aqueles que se relacionam com a sua página de alguma forma, preenchendo um formulário, solicitando auxílio via chat, compartilhando uma imagem ou marcando nome de amigos (nas redes sociais, por exemplo);
  • Oportunidades: são aqueles usuários que se tornam seguidores, ou assinam a newsletter, por exemplo, informado o e-mail para receber atualizações;
  • Clientes: e, por último, na base do funil estão os clientes, aqueles que, de fato, efetuam a compra.

Suponhamos que as informações levantadas em seu e-commerce apontam que 90% dos visitantes chegam a inserir produtos no carrinho, mas abandonam a compra no checkout de pagamento.

Isso significa que esse último layout precisa ser revisto (talvez você esteja solicitando informações demais, o que desanima o internauta de concluir a compra) a fim de melhorar o abandono de carrinho, por exemplo.

Portanto, cada etapa do funil evolui para a próxima fase de convergência, e assim sucessivamente. Ao analisar os dados de convergência, o gestor passa a entender como identificar as barreiras que impedem a finalização das aquisições.

D. Carrinho abandonado

Por falar em barreira, o carrinho abandonado configura, certamente, uma das principais em se tratando da desistência de vendas virtuais. Aqui, é fundamental contar com a análise de dados para  e-commerce, que ressalta esse montante de compras iniciadas (porém, não finalizadas) para que você entenda porque elas não são concluídas. O UOL Host, por exemplo, possui uma ferramenta específica para essa conferência.

Se o cliente chegou a preencher o cadastro, mas não optou pela compra, você pode recuperar o interesse dele enviando um e-mail marketing para lembra-lo do item que despertou seu interesse.

Afinal, em qual momento os clientes vêm largando a sacola de compras abarrotada? Será que se assustam ao calcular o frete? Será que não vale a pena investir em um teto mínimo para isentar essa taxa de entrega?

Por ajudar a responder esses e outros questionamentos é que o relatório de produtos recusados é tão importante. Assim, os passos do usuário são rastreados em prol de um denominador comum: reduzir a temida taxa elevada de compras não finalizadas.

E. Localização de clientes

Outra vantagem importante da análise de dados para e-commerce é a localização demográfica da clientela alvo. Se você é um iniciante no universo digital, pode considerar o Google Charts, uma ferramenta que destaca as regiões dos clientes que já compraram contigo.

Trata-se de um mapa simples e muito fácil de usar, mas que representa uma verdadeira mão na roda! Isso porque, nas próximas campanhas, você já possui uma pista eficiente de onde estão localizados seus maiores consumidores.

Além disso, essa estratégia também guia suas ações de marketing (aquelas feitas pessoalmente, como a panfletagem ou eventos, por exemplo) para localidades assertivas, a fim de alavancar as vendas.

F. Lucro por item

Por falar em elevar as vendas, você tem noção do quanto seu site comercializa atualmente? Acontece que essa métrica é essencial para conferir se o seu negócio está, de fato, obtendo o lucro previsto. Como ninguém quer jogar para perder, não adianta vender muito se, ainda assim, o montante não estiver alinhado à lucratividade esperada.

Tendo isso em mente, examine cuidadosamente quais são os produtos mais vendidos e destaque-os, sem medo de errar! Faça pesquisas de preços na concorrência e considere a necessidade de aumentar alguns valores para ajustar o lucro ao volume de vendas.

Assim fica mais fácil investir seu suado dinheirinho nas mercadorias corretas, ou seja, aquelas que têm maior saída ou contribuem para o aumento significativo da renda.

G. Vendas sazonais

No início desse artigo, falamos de indicadores importantes que medem as vendas em períodos determinados. O exemplo utilizado foram os feriados, e vamos utilizar esse critério aqui também. Isso porque seus pedidos podem indicar elementos valiosos sobre a venda em lojas virtuais.

Por isso, o ideal é que essa verificação seja realizada mensalmente. Dessa forma, você colhe valor de pedido e data para avaliar quais foram os períodos com maior pico de vendas e promover evoluções mais assertivas para melhorar as temporadas de menor procura, por exemplo.

H. Pacotes de produtos

Lembra que também mencionamos outra porcentagem interessante na introdução desse texto, de que quase 80% das lojas virtuais brasileiras comercializam produtos cujo valor gira em torno de R$100,00? Outra interpretação eficaz para essa informação é oferecer “vendas casadas”. Mas não estamos falando daquelas proibidas em lei, e sim da venda por meio de combos.

Funciona assim: você exibe um produto junto com outro, mas com um valor menor do que apresentam quando adquiridos separadamente. Nos e-commerces de moda, por exemplo, é muito comum que alguns usuários possuam perfil para comprar calça e blusa, bem como calcinha e sutiã, ou ainda tênis e meia.

Para escolher quais conjuntos farão maior sucesso, pondere, além dos produtos mais vendidos, também aqueles que são constantemente levados juntos ao carrinho de compras.

Essa métrica indica que a associação de produtos é extremamente pertinente para sugerir uma compra maior que resulta em maior vantagem para o bolso do cliente e da empresa.

I. Verificação 80/20

Essa análise também é conhecida como Análise de Pareto, a responsável por ajudar milhares de lojas virtuais a identificar índices extremamente relevantes, como perceber que:

  • 80% das despesas do site derivam de 20% de mercadorias com desconto;
  • ou talvez que 80% do lucro gira em torno de 20% de produtos (ou seja, os mais procurados);
  • ou ainda que 80% das reclamações recebidas giram em torno de 20% das mercadorias expostas, e por aí vai.

Esse tipo de verificação também pode ser usado em gráficos com a curva ABC, que distingue os itens. Além disso, a análise 80/20 também representa uma vantagem competitiva válida, objetiva e ideal para priorizar a visualização dos detalhes em planilhas reconhecidamente eficazes.

Falando em verificação de porcentagens, continue a leitura e aprenda a analisar outros índices imprescindíveis para promover o crescimento do seu comércio eletrônico.

4. Dados recentes sobre o e-commerce no Brasil

O número de empresas que passaram a comercializar produtos pela web é crescente nos últimos anos. Ademais, não é novidade que todos os brasileiros querem aproveitar a boa fase.

Apesar da crise financeira, somente em 2016, o comércio virtual do Brasil vendeu exatos R$ 44,4 bilhões, com previsão de 17% de aumento para 2017, aproximando-se dos R$ 50 bilhões!

Se você já está no mercado, aproveite a chance de crescer e converter mais clientes com os dados para e-commerce abaixo:

Receita originada

Apesar de esse faturamento ser o menor desde 2001, tal evolução sutil ainda assim é comemorada, sobretudo, frente ao atual cenário financeiro, político e econômico.

Veja a linha do tempo do faturamento do e-commerce no Brasil nos últimos períodos:

  • 2011: R$ 18,7 bilhões, crescimento de 26%;
  • 2012: R$ 22,5 bilhões, crescimento de 20%;
  • 2013: R$ 28,8 bilhões, crescimento de 28%;
  • 2014: R$ 35,8 bilhões, crescimento de 24%;
  • 2015: R$ 41,3 bilhões, crescimento de 15%;
  • 2016: R$ 44,4 bilhões, crescimento de 8%;
  • previsão para 2017: R$ 49,4 bilhões, crescimento de 17%.

Entretanto, até 2021, há uma expectativa de movimentação de mais de R$ 229 bilhões.

Quantidade de lojas

Dos 10,5 milhões de sites brasileiros, 3,54% deles são dedicados ao comércio eletrônico, sendo que 92,64% dessas lojas são de pequeno porte, 6,61% de firmas médias e apenas 0,76% de grande porte.

Das 450.000 lojas virtuais brasileiras, as microempresas são as que mais registram aumento. Muitas encerram suas atividades, mas, ao mesmo tempo, milhares de novas lojas são criadas.

Ou seja, se você pensava que a concorrência já era enorme entre as grandes indústrias eletrônicas, as menores, por sua vez, precisam utilizar a criatividade para se destacar nesse mar de adversários virtuais sedentos pela parte que lhes cabe.

Uma boa alternativa é aprender com as grandes empresas, e buscar opções de isenção de frete, atendimento personalizado e preservar a personalidade da sua loja para manter-se no mercado.

Nesse ponto, você já viu que a análise de dados para e-commerce se tornou crucial para diferenciar seu negócio!

Volume de vendas

De 2015 para 2016, o Brasil registrou 3% de acréscimo no volume total de vendas. Para entender melhor, acompanhe as variações do volume sazonal de vendas dos últimos 3 anos:

  • Dia das mães: enquanto em 2015 houve acréscimo de 18%, em 2016 ocorreu uma redução para 8%, restabelecendo-se em 2017 com 16%;
  • Dia dos namorados: em 2015 teve 8% a mais na comparação com o ano anterior. Já em 2016 dobrou para 16%, contra os 5,1% registrados em 2017;
  • Dia dos pais: houve uma elevação de 43% em 2014, contra apenas 4% em 2015 e 12% em 2016;
  • Black Friday: registrou 51% de aumento em 2014, 38% em 2015 e 25% em 2016;
  • Natal: apontou elevação de 37% em 2014. Já em 2015 cresceu 26% e somente 3,8% em 2016.

Comportamento de usuários

Como você pôde perceber, o volume varia anualmente, dependendo do período analisado. Entretanto, há uma estimativa que só cresce: é o índice de satisfação do consumidor.

Em 2013, a taxa girava em torno de 54%, aumentando para 56% em 2014 e subindo para 61% em 2015. Já em 2016, por exemplo, a Netshoes foi a campeã disparada no índice de satisfação com 71% de clientes recomendando a marca.

Também foram pesquisadas Amazon, Submarino e Mercado Livre, mas a vencedora teve um resultado 36% maior que a média de todas as outras empresas. O segundo lugar foi para a loja Zattini, que pertence ao mesmo grupo da primeira colocada e obteve 69% de recomendação, seguido pela Livraria Saraiva com 64% de satisfação no total de compras.

Grande parte dessa experiência de compra positiva revela uma entrega dentro do prazo (ou até mesmo antes, surpreendendo o consumidor), além de um checkout facilitado, login por meio das redes sociais, entre outras funcionalidades que justificam os merecidos destaques.

Como você pode observar, vale a pena monitorar esses números e se inspirar nos modelos das campeãs!

Conclusão

Agora que chegou ao final do artigo, vamos recapitular o que foi aprendido nele:

  • você entendeu o que são dados para e-commerce;
  • percebeu que eles fazem toda a diferença tanto na hora de abocanhar maior clientela, quanto no volume total do faturamento da sua loja — graças ao oferecimento de estratégias que funcionam como incentivos para comprar mais (isenções de frete a partir de determinado valor ou montagem de kits de produtos mais procurados com desconto);
  • além disso, também mencionamos 9 métricas infalíveis para você começar a utilizar na sua loja, de forma prática e simplificada, para avaliar atentamente as descobertas reveladoras que os números podem apontar-lhe.
  • por fim, indicamos uma série de pesquisas expressivas sobre os dados mais recentes do e-commerce brasileiro.

Sobretudo, essa estratégia buscou não apenas atualizá-lo em relação aos últimos índices, mas também inspirá-lo com o aroma do sucesso de várias marcas que, muitas vezes, ultrapassam as telas dos computadores!

Afinal, o reconhecimento se torna sólido e promissor, revelando, além da experiência positiva do usuário, a fidelização do mesmo no mercado eletrônico, conhecido como “terra sem lei”. Contudo, deu para perceber que algumas leis são realmente essenciais para o seu sucesso, não é mesmo?

Para estar ciente de todas as regras que geram resultados, aplicar a análise de dados para e-commerce em seu negócio e apropriar-se dos benefícios que você acabou de conhecer, entre em contato conosco e conte com quem realmente dá conta do recado!

Deixe seu comentário

Equipe Atlas

Democratizando a Business Intelligence com Atlas.

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 22 de agosto de 2017

    […] só é possível quando apoiada em números. A plataforma Tray Commerce compilada uma série de dados, como volume de vendas, ticket médio e preferência de compras dos usuários para gerar […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *